Eduardo Cesar Maia - 17 de setembro de 2014 às 18H 05M

Intolerante com as más ideias, tolerante com os homens: Mario Bunge na Jotdown

bunge
Por Eduardo Cesar Maia

Em entrevista para a excelente revista cultural espanhola Jotdown, o argentino Mario Bunge, que é um dos mais importantes filósofos da ciência em atividade, fala descontraidamente a respeito de questões bastante sérias e relevantes – a Jotdown segue em geral essa linha em suas longas e bem elaboradas entrevistas.

Perguntado, por exemplo, sobre que conceito científico devemos levar mais em conta em nossa vida cotidiana, Bunge soltou essa: “não sacanear [ joder ] o próximo”. A resposta, apesar do tom, não é gratuita: para ele, uma das finalidades da vida humana é a cooperação e o aperfeiçoamento da coexistência, e a ciência poderia justificar racionalmente os aspectos éticos e morais por trás de tal concepção. A outro questionamento, a respeito dos principais erros intelectuais que ele teria cometido na juventude, o pensador retrucou “ter acreditado de pés juntos em tudo o que lia. Em particular, ter acreditado no marxismo e na psicoanálise”.

Bunge é, acima de tudo, um pensador materialista, defensor do realismo científico e de uma filosofia marcada pelo rigor argumentativo. É conhecido por atacar o que ele chama de pseudociências, entre as quais inclui a psicoanálise, a parapsicologia, a praxeologia, a homeopatia, a microeconomia neoclássica e outras mais… Ele também costuma desancar correntes filosóficas como o existencialismo (Heidegger é um de seus alvos preferidos), a fenomenologia, o pós-modernismo, a hermenêutica, e o feminismo filosófico. O realismo científico de Bunge envolve os aspectos ontológicos (as coisas têm existência independentemente de que um sujeito as conheça), gnosiológicos (a realidade é inteligível) e éticos (existem fatos morais e verdades morais objetivas) de seu pensamento.

Muito do que Mario Bunge critica com dureza atinge coisas que eu valorizo em filosofia (como a hermenêutica de Gadamer e o pensamento social de Popper), mas acredito que as questões que ele levanta são sérias e merecem ser discutidas com tranquilidade e ponderação.

Leia a entrevista na íntegra em http://bit.ly/bungecafecolombo

Eduardo Cesar Maia

Editor da revista Café Colombo e professor de comunicação na UFPE, Eduardo Cesar Maia é jornalista, mestre em filosofia pela Universidade de Salamanca e doutor em Teoria da Literatura. Trabalhou na revista Continente.

Comentários

desenvolvido por Shamá