Cristiano Ramos - 19 de julho de 2014 às 17H 27M

E 2014 leva embora também Rubem Alves

FOTO-Rubem-alves2

Um dia depois da morte de João Ubaldo Ribeiro, é a vez de o Brasil perder o teólogo, psicanalista, educador e escritor Rubem Alves. Ele faleceu na manhã deste sábado, aos 80 anos, em Campinas, no mesmo Centro Médico onde estava internado desde o dia 10 de julho, por conta de uma pneumonia.

Mineiro de Boa Esperança, Rubem nasceu em 15 de setembro de 1933. Era Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul (Campinas), Mestre em Teologia e Doutor em Filosofia pelo Seminário Teológico de Princeton (EUA) e psicanalista. Foi professor do Instituto Presbiteriano Gammon (em Lavras, Minas Gerais), no Seminário Presbiteriano de Campinas, e na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro e na UNICAMP, onde recebeu o título de Professor Emérito.

Publicou mais de uma centena de livros de ensaios, contos, crônicas e infantis, entre outros – muitos dos quais traduzidos para outros idiomas. De formação humanística e fortes convicções, tornou-se pensador dos mais influentes nas áreas da Educação e da Teologia, sempre trilhando rumos liberais e renovadores.

No texto Hora de Morrer (em Teologia do cotidiano: meditações sobre o momento e a eternidade), Rubem Alves escreveu:

“O que se pede da vida é que ela seja bela como um poema. Mas, para ser bela, eternamente, ela há de saber morrer. Está lá, dito no texto sagrado, que para tudo há o tempo certo. Há um tempo de nascer e há também um tempo de morrer. Aprendemos a contar os meses da gravidez e a marcar o dia do parto. Mas quando aprenderemos a reconhecer o momento de morrer? O nosso corpo sabe. E não quer ficar, depois da hora. Ele também tem dó das estrelas, que brilham sem descanso…

Acho que seria isso que a vida diria, como seu último desejo, se os vivos a ouvissem: que o fim seja calmo como o crepúsculo, que seja decidido como o último acorde de uma sonata, e que se saiba haver chegado o momento quando se reencontra a velha amante com a alegria de quem abraça a mais nova namorada…”

Cristiano Ramos

Cristiano Ramos é professor, escritor, crítico literário e jornalista, doutorando em Teoria e História Literária (Unicamp). Publicou o livro de poesias Muito Antes da Meia-Noite (Confraria do Vento, 2015). A coluna Doppio Espresso é veiculada originalmente no Café Colombo, programa de rádio que vai ao ar aos domingos, na Rádio Universitária (Recife, 99,9 FM).

Comentários

desenvolvido por Shamá