Ancestralidade e musicalidade se reúnem no ‘Cantoria Crua’

Projeto nascido no Agreste pernambucano é uma miscelânea de expressões artísticas
cantoria crua - ilustração por nathália tenório e lua
Nathália Tenório e Lua assinam a arte que compõe a identidade visual do projeto. Imagem: Cantoria Crua/Divulgação

“Criar. Rememorar. Unir. Alimentar.” Sob este mote, Adalberto, João Euzé e Neto Sales guiam o Cantoria Crua, projeto artístico que mistura cantoria e artes visuais. Com a influência de artistas da terra, como Anaíra Mahin, Anchieta Dali, Bia Marinho e Zeto do Pajeú, a ancestralidade que vem dos poetas pernambucanos é a peça central da produção.

Do encontro entre os garanhuenses Adalberto e Euzé e o surubinense Neto Sales surgiram as composições repletas de poesia e mistério, que prometem oferecer uma experiência imersiva. Hoje, às 21h, o público pode ter acesso a um pouco desta atmosfera em um show online oferecido pelo espaço Ágora Sonora (clique para saber mais). A obra do trio, que tem raízes no universo dos cantadores típicos do nordeste brasileiro, exalta também a natureza e o encantamento.

“Cantoria Crua é uma salva a todos os poetas ancestrais e, para além disso, marginais. Somos a todo tempo criadores de obras que rememoram nossos antepassados, unem nossos seres e alimentam tanto a nós mesmos quanto a quem nos ouve. Somos cantadores traçados nas linhas que os mestres que vieram antes de nós escreveram”, diz Adalberto, que complementa: “O Cantoria Crua representa o novo que tem essência fincada no passado e na incompletude do ser presente.”

Em ‘Prece Marginal’, os artistas entoam: “Uma salva ao poeta ancestral / de riúna carregada com a magia / que espalhou pelos campos a agonia / o alento de seu verso atemporal / massapê ds cantoria marginal / entidade a dibuiar letras e notas / quando as unhas acariciam as cordas”

E, para complementar o espetáculo, os artistas se transformam nos personagens Busca, Andarilho e Chão Batido, cujos trajes foram idealizados pela figurinista Katarina Barbosa.

figurinos do cantoria crua, assinados pela garanhuense Katarina Barbosa
Assinados por Katarina Barbosa, os figurinos compõem as personas do espetáculo Cantoria Crua. Foto: Covil Audiovisual/Divulgação.

“A arte é uma expressão universal com a essência na quebra de qualquer barreira. A música e a poesia são formas de arte que dialogam entre si de uma forma encantada, ao passo que outras linguagens artísticas também podem interagir com o mesmo nível de magia”, comenta Adalberto. Na identidade visual, o projeto conta ainda com a peça de barro criada pelo artista Tonfil.

a peça de barro criada por Tonfil compõe a odentidade visual do projeto
“A Cumade Fulozinha representa um dos mistérios mais queridos e cantados pelos cantores de “canções da mata”, contadores de lendas dos sertões e crianças. Por isso traz traços infantis e indígenas para lembrar nossa mistura cabocla por esses rincões, mas toca numa viola de cabaça com estilo barroco e trovadoresco. Na cabeça traz três folhas de caju, representando os três cantadores”, comentou Tonfil em seu perfil no Instagram. Foto: Covil Audiovisual/Divulgação.

Para divulgar o novo projeto, o grupo, que conta com a produção da Epahey Produções Culturais, planeja a realização de um produto audiovisual que mostrará seis canções autorais. “Esse material será um portfólio virtual para o grupo que possibilitará o acesso a palcos e festivais, além de disseminar a produção autoral interiorana nas redes”, diz Adalberto. 

O local idealizado para as gravações dos vídeos é o Casarão do Jebre, pousada localizada em Maturéia, Sertão da Paraíba. Para isso, a equipe vem planejando uma campanha de financiamento coletivo, que você pode acessar clicando aqui. Aos colaboradores, será realizado um show online exclusivo, com data a ser definida.

E para 2021, os artistas também planejam o lançamento de um EP com quatro músicas, além de shows presenciais, quando for possível em razão da pandemia. Adalberto crê que o futuro reserva bons frutos para o Cantoria Crua: “Nossos passos são traçados no véu das coisas e, com toda a certeza, grandes momentos o universo tem reservado para fazer ecoar nosso canto e nossa força.”

adalberto, euzé e neto sales compõem o cantoria crua
Adalberto, João Euzé e Neto Sales, o trio que compõe o Cantoria Crua. Foto: Karol Albuquerque/Divulgação/Saulo Tavares.

Veja também: “Do Meu Coração Nu”: A virtuosidade e sensibilidade sonora-social de Zé Manoel

cantoria crua por nathália tenório e lua

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp