Anna Clara Oliveira

Caruaruense, graduanda em Comunicação Social pela Universidade Federal de Pernambuco, Campus Agreste.

Pesquisa em curso visa transformar o forró em patrimônio material

Café Colombo, em parceria com o pesquisador Amilcar Bezerra, publica série de artigos sobre o tema

Autora: Anna Clara
Coautora: Sarah Coutinho


Além dos grupos de sanfoneiros organizados formalmente, há grupos informais que também são ativos nas festividades juninas.
Foto: Agência Brasil

Para marcar a aproximação do período junino, o professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Amilcar Bezerra, irá produzir uma série exclusiva com quatro artigos para o Café Colombo sobre Forró.  O professor integra a equipe do Inventário nacional do Forró, junto a um time nacional de pesquisadores. A primeira publicação, de caráter mensal, será iniciada nesta sexta (24).

O primeiro artigo, intitulado “De onde é que vem o Baião: Forró, Mídia e Matrizes culturais”, trata do gênero que, institucionalizado como “baião” a partir da canção homônima composta por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira em 1946, tornou-se um grande guarda-chuva que abrigava subgêneros como o xote e xaxado. O forró, anteriormente considerado um sinônimo de festa com bebida, o “forrobodó”, substitui, de forma gradual, o baião como guarda-chuva desses gêneros musicais nordestinos. 

A pesquisa do Inventário do Forró é financiada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A instituição é responsável pelos livros de registro de bens de patrimônio material e imaterial no Brasil. Com o intuito de transformar o forró em patrimônio cultural brasileiro, o IPHAN lançou em 2011 em conjunto com a Associação dos Balaios do Nordeste, um edital para que fosse realizada uma pesquisa de grande alcance que identificasse quais são as comunidades que hoje fazem o forró tradicional no Brasil, como esse gênero vem sendo tocado e qual significação ele tem para as comunidades envolvidas. 

A Associação Respeita Januário (ARJ), sediada no Recife, foi a vencedora do edital do IPHAN e é a encarregada para realizar o inventário em âmbito nacional. O coordenador  da pesquisa e professor do Departamento de Música da UFPE Carlos Sandroni, lidera uma equipe com pesquisadores de todos os estados do Nordeste, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e Distrito Federal. 

Com a atual pandemia do Covid-19 a equipe está realizando reuniões online e pensando, junto às organizações de forrozeiros, em soluções para mitigar os efeitos devastadores da não realização das festas juninas para esses artistas. Dessa forma, o professor afirma que “pesquisas bibliográficas e exploratórias junto a instituições sobre quais os possíveis personagens a serem entrevistados e lugares a serem visitados posteriormente” também são as iniciativas tomadas a priori pelo Inventário. 

Além disso, “Batuque Book do forró”, de Climério de Oliveira; “O Fole Roncou uma história do Forró”, de Carlos Marcelo e Rosualdo Rodrigues; “Baião: a sociologia de um gênero”, de Elder Maia Alves e “A Vida do viajante”, biografia de Luiz Gonzaga escrita pela Dominique Dreyfus, são algumas das leituras que conduzem o olhar dos pesquisadores para a elaboração da pesquisa. 

Os professores Amilcar Almeida e Gustavo Alonso do Campus Agreste da UFPE, e o músico e professor Climério Oliveira, autor de trabalhos importantes sobre o forró, integram a equipe de pesquisa em Pernambuco. “A ideia é que a gente entreviste os principais personagens da cena forrozeira do estado, realize etnografias nos lugares em que esse forró tradicional é executado e estabeleça as relações deste forró com suas matrizes culturais na região”, afirma Amilcar. O professor acredita que a produção dos quatro textos no portal é uma forma de divulgar a pesquisa organizada pelo Inventário e uma boa maneira de atingir um público mais amplo.

Projeto “Na Pegada de Artista” ganha sua primeira edição

O evento será realizado em formato de live e conta com a participação do artista Caju Galon

Trabalho produzido em ATELIER D43; além de atuar na exposição de projetos gráficos, o professor Caju Galon ministra aulas de desenho e pinta murais. Foto: Acervo pessoal/Facebook.

O núcleo de incentivo à  produção cultural Circullus em conjunto com o Ateliê Humberto Botão realizará hoje (16), às 16h, a primeira edição do projeto “Na Pegada de Artista” com o artista multimídia e professor Caju Galon. A ideia é possibilitar uma visitação virtual aos ateliês de artistas visuais em tempos de isolamento social e de necessidade de reafirmação da arte e da cultura. As transmissões irão ocorrer todas as quinta-feiras no instagram do Circullus.

O artista, que já recebeu premiações na Mostra Vagalume da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), no Concurso Red Bull Animaker e o Prêmio Açorianos de Artes Plásticas, inaugura o primeiro dia de transmissão do projeto e abre  as portas do seu ateliê para mostrar os processos de criação do seu trabalho para o público. O evento ainda conta com a presenças dos artistas Geo Andrade, Ricardo Pessoa e Iris Marcolino, que também apresentarão seus trabalhos.

As inscrições para o projeto estão abertas e os artistas visuais interessados devem entrar em contato pelo email circullusdeideias@gmail.com ou humberto.botao@gmail.com.

Instituto Moreira Salles realiza live em comemoração aos cinco anos da Brasiliana Fotográfica

História, saúde pública e urbanismo são assuntos que guiarão a conversa nesta sexta-feira (17)

O Instituto Moreira Salles tem por finalidade exclusiva a formação de acervos e o desenvolvimento de programas culturais.
Foto: Divulgação.

O Instituto Moreira Salles realizará nesta sexta-feira (17), às 17h30, em celebração aos 5 anos de criação do portal digital Brasiliana Fotográfica, um debate ao vivo em sua página do Facebook. As discussões irão relacionar o contexto atual de pandemia com questões voltadas ao urbanismo, saúde pública e a história do Rio de Janeiro e das grandes metrópoles brasileiras. O debate também será contemplado com as fotografias disponibilizadas pelo Brasiliana.

A live será mediada pelo coordenador de Fotografia do Instituto Moreira Salles (IMS) Sérgio Burgi, pelo coordenador da Biblioteca Nacional Digital Joaquim Marçal e pela historiadora Aline Lopes de Lacerda. Estarão presentes durante a conversa convidados como o arquiteto e urbanista Guilherme Wisnik, o historiador Jaime Benchimol e a médica pneumologista Margareth Dalcolmo.

A Brasiliana Fotográfica foi idealizada em parceria com a Fundação Biblioteca Nacional e com o Instituto Moreira Salles, a fim de preservar os  acervos originais e documentos fotográficos referentes ao Brasil em formato digital. O patrimônio digital é preservado enquanto fonte primária de pesquisa e busca  promover o debate e a reflexão sobre o gênero em questão.

Liminar liquida R$742,9 milhões das dívidas operadoras de telefonia com a Ancine

O valor é pertinente a taxa de contribuições destinadas a produções da indústria audiovisual cobrada pela Condecine

Fachada da sede da Ancine. Foto: Lucas Tavares.

Uma sentença judicial decretou a suspensão de um pagamento de R$ 742,9 milhões à Agência Nacional do Cinema (Ancine).  O valor deveria ter sido pago até o dia 31 de março por operadoras de telefonia celular. A ação foi solicitada pelo Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e Serviços Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil). O montante é referente à Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine), um tributo brasileiro de subsídios coligado às produções do cinema nacional, televisão, o streaming, além de outras plataformas. 

A desembargadora do Tribunal Regional Federal da 1ª região (TRF-1) Ângela Catão, prorrogou a liquidação da dívida e utilizou o  argumento da crise a pandemia do novo coronavírus. “Não podem se sobrepor ao atendimento de necessidades básicas postas em risco por uma conjuntura de crise, tal como a manutenção dos empregos gerados no âmbito da prestação de serviços enquadrados como essenciais pelo próprio governo federal”, menciona.

O Sinditelebrasil usou como justificativa para a ação a preservação da “continuidade das atividades de suas filiadas, considerada a essencialidade dos serviços de comunicação por elas prestados, e à manutenção dos postos de emprego em todo o território nacional”. A decisão foi contestada por representantes do setor, uma vez que Condecine Teles (Lei 12.485/2011) é cobrada sobre celulares ativos e remessas de lucros. O setor de telefonia é visto como um dos que terão grandes rendimentos com  o crescimento do uso de internet durante o período de quarentena.

Silvério Pessoa participa do Festival Palco em Casa

A terceira edição do festival acontecerá do dia 9 ao dia 12 e também recebe nomes como Gustavo Travassos e Luciano Magno


Festival Palco em Casa. Imagem: Divulgação.

Em sua terceira edição, o Festival Palco em Casa será realizado a partir desta quinta-feira (9). Com novas parcerias, a edição conta com apresentações de artistas das duas cidades de Portugal, Lisboa e Porto. Além disso, como nas edições anteriores o festival reforçar a participação de recifenses e olindenses dentro da programação. O projeto busca entreter o público durante o período de isolamento social.

A transmissão ao vivo do festival ocorre no instagram de Turismo, o @descubrapernambuco. O evento é idealizado pelo cantor pernambucano André Rio com apoio da Secretaria de Turismo do Estado. Por não possuir fins lucrativos, o projeto recebe o auxílio logístico da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur).

A primeira noite do Festival será aberta às 19h, pelo cantor pernambucano Thiago Kehrle, que aposta em um repertório diversificado que vai de Geraldo Azevedo à João Bosco. Além de contar com a participação da cantora Marina Duarte e do violonista e guitarrista Renato Bandeira.

Logo após às 20h30, o músico Silvério Pessoa apresenta suas canções autorais e canta músicas de mestres do cancioneiro nordestino como Jackson do Pandeiro. Para encerrar o primeiro dia, o instrumentista e compositor Luciano Magno recebe o cantor Zé Renato. Com mais de 40 anos de carreira, o artista iniciou sua trajetória com o Grupo Cantares e logo após fundou o quarteto Boca Livre, com o qual gravou diversos discos e ganhou reconhecimento nacional.

Na sexta-feira (10), as apresentações iniciam às 17h30 com o forrozeiro Mestre Gennaro, ex-integrante do Trio Nordestino da década de 1980, e já se apresentou ao lado de grandes nomes como Luiz Gonzaga. Em seguida, o público aprecia um dos compositores mais cantados da música portuguesa, Jorge Fernando e uma das vozes de referência ao favo novo Fábia Rebordão. Na sequência, às 20h30, o músico brasileiro e carioca Pedro Luís canta ao público suas criações. Às 22h, a noite se encerra com o frevo do cantor oficial do bloco Galo da Madrugada e intérprete Gustavo Travassos.

O sábado (11) conta com o show da Tia Mini que traz programação infantil, às 17h30. Às 19h, o sanfoneiro Novinho da Paraíba anima os espectadores com seus sucessos. Em seguida, às 20h30, o cantor e anfitrião André Rio apresenta-se ao lado do músico Roberto Menescal, e reúnem MPB com a Bossa Nova. A Cantora, compositora e presidenta do Clube do Samba de Recife Karynna Spinelli, encerra a noite, às 22h, com muito samba.

O Domingo de Páscoa inicia com conteúdo infantil e conta a participação da banda ImaginaSom, a partir das 16h. A proposta do grupo é despertar a imaginação das crianças, a fim de misturar a musicalidade com elementos presentes nas atividades escolares e brincadeiras que façam parte do dia a dia dos pequenos.

A partir das 17h30, o arranjador e acordeonista Beto Hortis inicia a festa de quem está em casa e conta com a presença do cantor Edinho Queirós. Às 19h, a dupla de músicos pernambucanos que residem em Portugal atualmente Lilian Raquel e Cláudio César Ribeiro, também se fazem presentes. Lilian já foi vocalista de André Rio, Jorge de Altinho e Naná Vasconcelos em duas edições do Canta Nordeste. Cláudio, conhecido em Pernambuco como Cláudio Munheca, acompanha atualmente o cantor Ivan Lins pela Europa, e já integrou o primeiro grupo instrumental do maestro Spok e também o grupo Má Companhia, na formação com Lula Côrtes. Além de ter tocado com André Rio.

A terceira semana do Festival encerra-se com a cantora e multi-instrumentista pernambucana Bia Villa-Chan às 20h30. Bia é bandolinista desde os oito anos de idade, e é reconhecida por ser uma artista eclética e de sensível percepção musical por interpretar   canções brasileiras e internacionais. Em sua apresentação, ela recebe o cantor, compositor, arranjador, produtor musical, poeta e ator Charles Theone.

Café Colombo Indica: 6 filmes que você precisa assistir

A lista de filme se adapta a vários gêneros com obras brasileiras à francesas

Nós, da equipe do Café Colombo, somos como você e também passamos horas para escolher um filme. Pensando nisso, preparamos uma lista com recomendações de que vão do gênero dramático à comédia para te auxiliar nesse momento de isolamento social. Confira as indicações:

A Cidade onde Envelheço (Marília Rocha, 2016)


O filme que traz as deleitações e as aflições das mudanças, além  da vivência longe de casa é a indicação da nossa editora e repórter Sarah Coutinho. “A Cidade Onde Envelheço”, para Sarah, é uma das melhores narrativas  já assistidas por ela. “Quando nos referimos à temática de pertencimento dentro de um contexto marcado por conexões entre as pessoas e, principalmente, a identificação entre o sujeito (o eu) e o externo; o mundo – o longa consegue reunir todos esses aspectos em torno de uma narrativa deliciosa, delicada, incisiva e poética”,menciona.

Clímax (Gaspar Noé, 2018)

Essa é a indicação da repórter Dayanne Jeniffer. O filme conta a história de um grupo de dançarinos urbanos que se isolam em um internato e ensaiam  para uma apresentação. Na festa de comemoração do término dos ensaios, acontece o uso de drogas e muitos dos dançarinos se veem no inferno enquanto outros passeiam pelo paraíso. “O filme é profunda loucura e admiração. Ele nos diverte nos primeiros trinta minutos com os ensaios de dança (principalmente, se você gosta de observar esses tipos de apresentação). Na segunda  parte do longa, você mergulha nas inúmeras conversas dos dançarinos sobre os ciúmes e as dores dos dançarinos. Os diálogos engatilham para o último “ato” que se desenvolve a partir de um plano sequência marcado pela euforia, perturbação e animação. Os nossos sentidos se perdem no conjunto de vários sentimentos que vão sendo levados através da câmera e do som. Em uma hora e trinta e sete minutos, mergulhamos em beleza e em ódio, nos colocando, de fato, em um mix de climaxes. Isso torna a narrativa muito mais interessante e instigante”, diz a repórter.

Jovens, Loucos e Rebeldes (Richard Linklater, 1993)

A repórter Laís Guedes optou por indicar o segundo filme do diretor de Boyhood (2014) e Escola de Rock (2003), “Jovens, loucos e rebeldes”. Laís menciona que, é um dos maiores clássicos dos filmes de colegial. “Dazed and Confused é divertido e despretensioso, perfeito para os dias de tanta tensão que vivemos. Podemos ver jovens atores como Matthew McConaughey, Mila Jovovich e Ben Affleck em ascensão, além da evolução do próprio Linklater, responsável pela fluidez dos diálogos e da narrativa, que é um retrato fiel da época. A trilha sonora escolhida a dedo é o toque final que nos faz imergir no ambiente do filme”, acrescenta. 

Noites de Lua Cheia (Éric Rohmer, 1984)

A indicação do colunista Thiago Muniz faz parte da série de filmes “Comédias e Provérbios” do diretor Éric Rohmer. “Noites de Lua Cheia” possui uma narrativa que acompanha uma jovem que mora no interior com seu namorado, mas que mantém um apartamento no subúrbio de Paris como um símbolo de sua liberdade. Thiago nos conta que o filme é leve, divertido e traz como tema principal o amor e as idiossincrasias humanas que causam conflitos ao lidar com ele. “Pode ser encontrado em plataformas de Streaming como o Belas Arte Á La Carte”, destaca.

Retrato de Uma Jovem em Chamas (Céline Sciamma, 2019)

A obra da diretora francesa, “Retrato de Uma Jovem Chamas”, é a indicação de Bianca Torres, nossa editora de vídeos. “Marianne é contratada para fazer uma pintura de Héloïse sem que ela saiba. Ao ter que analisar cada detalhe da mulher, a pintora e sua musa se veem cada vez mais próximas de um vínculo profundo e romântico. O longa-metragem segue um ritmo calmo e poético, algo que o roteiro e a direção de Sciamma se destaca por completo com sua delicadeza e unicidade ao retratar um relacionamento lésbico com legitimidade e sem fetiches. É uma obra necessária em que conseguimos admirar toda a beleza cinematográfica e poética além de analisar todo o cenário de representações dentro do cinema”, expõe Bianca.

Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo (Marcelo Gomes e Karim Aïnouz, 2009)

O filme indicado pelo colunista Gabriel Vila Nova retrata a viagem de um geólogo que precisa atravessar o sertão nordestino e desenvolve sensações de vazio, abandono e até mesmo de solidão, que tornam sua viagem cada vez mais difícil. “Como narrativa do filme os diretores optaram pelo espectador enxergar pelos olhos do próprio protagonista, que não aparece fisicamente no filme. Dessa forma, toda a atuação é realizada tendo como ferramenta apenas a voz. Mas não se engane com o título, não é uma história de amor tradicional, o filme tem uma grande carga melancólica e de saudade e é nisso que reside a sua beleza. Lembrando que a Cinemateca Pernambucana disponibiliza esse filme em seu acervo”, comenta.

Lançamento: Palavras de um Maluco volume II

O livreto faz parte da campanha “Apoie um Artista

“Minha poesia saiu do calendário, da inércia infecunda das almas”, diz o artista na poesia autoral Recostes. Imagem: Amarelo Produções.

O artista natural de Garanhuns Hercinho, lançou hoje (2) a segunda edição do seu livreto de poesias. Palavras de um Maluco volume II é lançado em formato digital e gratuito, e traz em suas linhas: poesias, versos e devaneios do autor.

Ao trabalhar de forma independente como cantor, compositor, músico e poeta, Hercinho sofre as consequências da crise cultural devido ao atual cenário dado em meio a pandemia do novo coronavírus. Com shows e eventos cancelados e adiados no período de isolamento social, ele menciona que “nem só de palavras vive o homem”, dessa forma, foi criada uma vakinha online para contribuições espontâneas em apoio ao artista.

Clique aqui para fazer download do livreto Palavras de um Maluco

Veja também:

Hercinho recitando uma de suas poesias

Em meio a pandemia, Rádio Frei Caneca adota um novo formato de entrevistas

As entrevistas ocorrerão no instagram durante as transmissões ao vivo

Imagem: Divulgação.

A Rádio Frei Caneca estreou na última segunda (30) um novo modelo de entrevistas por meio de lives. As conversas serão realizadas no perfil do instagram da rádio e acontecerão de segunda a sexta, às 15h. As lives irão abordar temáticas como cultura, saúde e cidade e serão mediadas pelos apresentadores Priscila Xavier, Nice Lima e Patrick Torquato. A iniciativa deu-se diante do atual período de isolamento social devido a pandemia do novo coronavírus.

No dia de estreia a programação contou com a presença da musicista brasileira Larissa Baq (LaBaq), no presente momento, a artista que se encontra em Roma,expôs as dificuldades enfrentadas no período de quarentena na capital, onde vários shows foram cancelados e programações adiadas. Na próxima quinta (2), o pesquisador e terapeuta Paulo Campos irá dialogar com os espectadores sobre tecnologia e saúde, mas com foco no público da terceira idade.

Outros participantes previstos na programação são: a pesquisadora Dani Ribas, que irá falar sobre sua atual pesquisa em relação ao impacto do coronavírus na indústria da música no Brasil; o produtor Evandro Fióti, empresário dos cantores Emicida, Rael e Drik Moraes sobre adiamento de shows e turnês; a cantora e colunista da Revista Continente Karina Buhr, irá falar  sobre a sua função na revista e sobre o seu último disco chamado Desmanche lançado em 2019. E, por fim, o grupo de teatro Magiluth que também estará presente nas lives para contar sobre a tática de venda antecipada de ingressos para seu próximo espetáculo.

Para as crianças, foi criada a faixa infantil chamada “Quarenteninha” que será exibida de segunda a sexta-feira, das 9h às 11h. Serão apresentadas reprises dos programas infantis que já fizeram parte da grade da emissora para entreter e levar conhecimento para os pequenos, como Cantando e Brincando nas Ondas do Rádio, Rádio Matraquinha e Palavras no Ar.

Editora Martin Claret realizará live com Dante Gallian

Imagem: Divulgação

O historiador e pesquisador irá debater sobre como a literatura pode ser um meio terapêutico para o desenvolvimento intelectual e cultural no período de quarentena

Em meio ao distanciamento social provocado pela quarentena,  a Editora Martin Claret — que possui aproximadamente 500 títulos em catálogo, entre eles, obras-primas da literatura universal, filosofia, direito, política, sociologia e religião — irá realizar amanhã (27) às 17h30 uma live em seu instagram com o autor do livro “A literatura como remédio” publicado em 2017, Dante Gallian. Ele irá dialogar com público sobre a temática do seu livro, além de abordar assuntos sobre o caráter terapêutico da literatura na vida do leitor e em tempos de isolamento, assim como a importância do compartilhamento da experiência da leitura.

O autor Dante Gallian irá abordar também sobre o seu projeto, fundado há quase duas décadas, o Laboratório de Leitura (LabLei). A ação tem ajudado a formar novos leitores e os incentivado a descobrir a beleza e a grandeza da literatura clássica, bem como a importância da literatura em tempos de crise. O “LabLei” é um laboratório de leitura diferenciado que possui fundamentação teórica e metodológica própria baseada numa atividade formativa humanística fundamentada na leitura e discussão de clássicos da literatura universal.

A editora e o autor também prometem uma surpresa para os leitores que participarem ativamente da live.

Quarentena Literária: um projeto do Grupo Editorial Record

O projeto possibilita diálogos entre escritores e amantes da literatura durante o período de quarentena

Imagem: Divulgação.

O Grupo Editorial Record lançou o site Quarentena Literária na última segunda (23). Uma plataforma gratuita que promove encontros virtuais entre autores, editores, críticos literários e leitores durante os dias de isolamento em consequência da pandemia do novo coronavírus.

No dia do lançamento, o site contou um bate-papo com a escritora e roteirista Raíssa Tavares. Em 2017, a autora infanto juvenil  publicou o seu primeiro livro, “Os 12 Signos de Valentina” pela Galera Record, um selo da editora criado para o público jovem.

O autor do romance “Você tem a vida inteira” — um livro LGBTQIA+ que retrata a importância das amizades quando tudo parece não fazer sentido — Lucas Rocha, mediou o debate da terça-feira (24). 

Confira abaixo a programação da Quarentena Literária:

O escritor e mestre em história social Luiz Antonio Simas, irá conversar sobre o tema “O que a rua diz sobre a cidade e o Brasil” na quarta-feira (25), das 10h às 11h. Ainda no mesmo dia, das 20h às 21h, a autora Carina Rissi lidera um bate-papo sobre seu último livro “Amor sob encomenda”.

A autora do livro “Como conversar com um fascista” Márcia Tiburi, discutirá sobre o fascismo na atualidade dentro do contexto do pensamento crítico contemporâneo na quinta-feira (26), das 10h às 11h. Durante a tarde, das 17h às 18h, o poeta Fabrício Carpinejar convida os leitores de plantão para falar sobre sentimentos e discutir as ideias do seu livro “Família é tudo”. 

No dia 27, o jornalista, crítico Literário e escritor Brasileiro, Manuel da Costa Pinto, irá dialogar sobre o livro “A peste” de Albert Camus. A psicanalista e autora de “A cama na varanda” e “O Livro do amor” Regina Navarro Lins fechará a tarde das 17 às 18h, e trará a reflexão sobre como vivemos nossos relacionamentos na sociedade.

O poeta Everton Behenck, autor do livro “Os dentes da delicadeza” e do blog “Apesar do Céu”, irá encerrar a primeira temporada da programação conversando com os espectadores sobre a temática “Amor em dias de confinamento”.