Ícaro and Black Stars é uma das peças disponíveis no site Espetáculo Online

Site colaborativo disponibiliza gratuitamente espetáculos brasileiros

A dramaturgia e direção do musical Ícaro and Black Stars é coordenada por Pedro Brício. Foto: André Hawk/Divulgação

Espetáculos de artes cênicas, música, dança e outras performances teatrais estão sendo oferecidas gratuitamente pelo site Espetáculo Online. O acervo é fruto da organização do produtor audiovisual e cineasta carioca Eduardo Chamon, que registra peças teatrais para a sua produtora Chamon Audiovisual. A partir de uma videoteca colaborativa, são adicionados materiais toda quinta-feira do acervo pessoal do cineasta e de outras produtoras como a Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo e Target Filmes. 

O projeto surge com o objetivo de levar a produção audiovisual e teatral para os dias de quarentenas do público e foi iniciado no dia 9 de abril,. Em entrevista ao jornal Diário de Pernambuco, Chamon ressalta a importância do sitem “nesse momento de tão pouco recurso, o mais importante é que ele exista gratuito. O primeiro passo agora é formar uma plateia”, afirma. 

A peça Os vilões de Shakespeare tem texto de Steven Berkoff e adaptação de Geraldo Carneiro. Foto: Divulgação

Ícaro and Black Stars, com atuação de Ícaro Silva e as stars, Cássia Raquel e Hananza, é uma das peças disponíveis no site. No show, é contado e cantado histórias e músicas de alguns artistas que compuseram a cena do Black Music desde 1940 até os dias atuais. Tim Maia, Michael Jackson, Bob Marley e Beyoncé são alguns dos cantores referenciados em paralelo às histórias pessoais vividas por Ícaro. Outras peças como “Os vilões de Shakespeare” interpretado por Marcelo Serrado e “Incêndios” que possui no elenco a atriz Marieta Severo, também estão na listas dos filmes ofertados pelo site.

A direção da peça infantil “A bruxinha que era boa” é de Cacá Mourthé. Foto: Divulgação

O site também conta com uma sessão de Teatro infantil. “A bruxinha que era boa” com texto de Maria Clara Machado e o musical “Makuru, um musical de ninar” com texto de José Mauro Brant, são algumas das peças disponibilizadas.

Além disso, Chamon destaca a importância da videoteca para o registro das peças teatrais. E menciona que elas não vêm com o intuito de substituir os espetáculos que ocorrem presencialmente. “Eu entendo o espaço do teatro como um lugar sagrado, um templo. Então envolve muito respeito, eu participo do processo, penso em como contar aquela história também através das câmeras. E criamos uma regra de tentar ser invisível para o público. Filmar o teatro é uma das coisas mais contraditórias que se possa fazer, então tudo que a gente faz é ir na contramão e encontrar meios para que seja parecida, porque nunca vai se comparar, é mais como uma abordagem em vídeo sobre uma outra obra”, admite.