Reconhecimento e conscientização: banda Guma nos conta a importância do “Festival Fico Em Casa BR”

Artistas de âmbito local e nacional dividem o "palco" e promovem visibilidade para as cenas culturais do país
Guma traz vampiros burlescos na praia no clipe de "Destilado ...

Foto: Divulgação

Os dias de quarentena causado pelo COVID-19 se tornam muito mais fáceis de serem passados com o uso da internet. Usada nesses tempos de pandemia para auxiliar no trabalho e promover uma comunicação efetiva, ela também participa na movimentação das várias áreas artísticas, como os teatros, shows e cinemas. Estes, que estão parados presencialmente como forma de prevenção ao vírus, migraram para o meio virtual com o intuito de levar a cultura e a conscientização ao público, além de promover o reconhecimento de outros artistas nacionais.

O Festival Fico Em Casa BR, que ocorreu entre os dias 24 à 27 de março, fez com que a cultura e a informação pudessem ser consumidas na palma das nossas mãos, com 40 horas de shows e mais de 70 artistas de todo o país. Por meio do YouTube, Instagram e Facebook, o público pode presenciar os mais diversos sons brasileiros, inclusive os pernambucanos, assim como o pop de Romero Ferro, a mistura de brega e ciranda da Academia da Berlinda e a Banda Guma com sua guitarra psicodélica.

“A gente ficou muito feliz em poder participar desse evento porque é uma oportunidade de fazer várias coisas: a primeira delas é conscientizar e espalhar para toda a galera a ideia de que ficar em casa, agora, é muito importante. Em segundo lugar,  o Fico em Casa também oferece uma contrapartida para essa quarentena não ficar tão chata. ” ressalta Guma, por meio da entrevista realizada com a banda sobre a importância do Festival nesse cenário de pandemia.

A Banda Recifense, formada por Caio Wallerstein, Katarina Nápoles e Carlos Filizola, também observa a enorme contribuição deste Festival ao levar bandas locais para um âmbito nacional, além de possibilitar um espaço de reconhecimento para estas. “Outro ponto muito massa também é que o Festival é um vetor importante para divulgar as bandas que ainda tem pouco reconhecimento no Brasil, como é o nosso caso. Dividir esse evento com nomes como Adriana Calcanhotto e Francisco El Hombre, por exemplo, é uma super oportunidade da gente se inserir mais em outros lugares que não só no Recife, sabe?” afirma.

Na apresentação, que durou cerca 30 minutos, a banda cantou as músicas do seu primeiro álbum Cais, lançado em 2018, que possui 10 músicas com sonora experimental e psicodélica.

Foto: Capa do álbum Cais, da banda Guma

O Festival vai realizar na próxima semana com uma nova edição, sem programação definida até então.Mas temos a certeza que, além de divertir os 100 mil seguidores do Festival Fico Em Casa BR, os shows trarão o reconhecimento nacional de muitos artistas pernambucanos e de outros estados do Brasil. Além de ser  “uma oportunidade de espairecer, ver outras coisas, se desligar desse monte de informação horrível que a gente tá recebendo’’ reforça os integrantes.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp