Sete filmes para maratonar no Dia do Cinema Nacional

A lista conta com dramas, comédia e animação

https://i1.wp.com/obviousmag.org/a_delicadeza_do_tempo/2015/09/19/imagens/poster_water_scene.jpg?w=900

Capa do filme “Elena” de Petra Costa lançado em 2018. Foto: Reprodução/Espaço Filmes

No dia 19 de junho de 1898, o italiano Afonso Segreto filma a Baía de Guanabara e os arredores do Rio de Janeiro, pelas lentes de uma câmera Lumiére, à bordo de um navio francês. A história não passa de uma lenda, já que as filmagens de Afonso não foram encontradas por historiadores até hoje. Mas, o fato é: os irmãos Afonso e Paschoal Segreto se tornaram grandes empresários do ramo de entretenimento no Rio de Janeiro, no início do século XX. Aos poucos, a produção cinematográfica brasileira foi se fixando no mercado interno, a partir de grandes movimentos nacionais, como as Chanchadas e o Cinema Novo entre os anos de 1960 e 1970. 

Na atualidade, o cinema nacional ganha outra roupagem. Com uma difusão ainda maior, consegue alcançar públicos internacionais. Em 2019, os filmes “Bacurau” dirigido por Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles e “A vida Invisível” de Karim Aïnouz, ganharam evidência ao serem selecionados para participar do Festival de Berlim. “Bacurau’’ levou para casa os principais prêmios do Festival de Cannes, entre eles os de melhor interpretação masculina e feminina, melhor roteiro, melhor diretor e a Palma de Ouro, maior categoria da premiação .

Assim, para comemorar o Dia do Cinema Nacional,  indicamos cinco filmes, dos mais variados estilos e épocas, para você assistir e conhecer mais sobre as produções cinematográficas nacionais. (Você pode ver nossa última lista de filmes indicados aqui)

Amores de Chumbo (2018), de Tuca Siqueira 

O longa metragem de Tuca Siqueira, Amores de Chumbo (2018) retrata um triângulo amoroso com personagens da terceira idade marcados pelo período da ditadura militar. O filme acompanha o aniversário de casamento de Miguel e Lucia, que se conheceram na época da repreensão militar. A personagem Maria Eugênia, amiga do casal, que estava exilada na França, retorna ao Brasil para rever os amigos e reacende o ardor da paixão de viveu com Miguel no passado. Amores de Chumbo é um filme singelo e que fala sobre relacionamentos não resolvidos e tempos difíceis. O longa mostra que mesmo com o passar dos anos e as experiências ruins da vida — principalmente de um momento sentimental que modificou a vida social e política de forma brusca —, o ser humano continua pronto para viver momentos incríveis e dias melhores.

Big Jato (2015), de Cláudio Assis

O drama acompanha Francisco e seu pai, que utilizam um caminhão pipa chamado Big Jato, para limpar as fossas da cidade sem saneamento básico. Porém, o menino se interessa mais pela personalidade do tio artista e libertário. A partir disso, Francisco descobre sua vocação para ser poeta.

Bingo: o rei das manhãs (2017), de Daniel Rezende

A cinebiografia conta a história de Arlindo Barreto, um dos intérpretes do personagem Bozo no programa homônimo na década de 1980. Apesar da fama por ser o palhaço mais conhecido da época, Barreto não recebia reconhecimento por sempre trabalhar fantasiado. Sua frustração o levou a usar drogas antes de fazer suas apresentações na TV.

Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976), de Bruno Barreto

Dona Flor é casada com o apaixonado e carinhoso Vadinho, mas fica viúva e começa a sentir falta do casamento. Logo, Dona Flor se casa com o médico Teodoro, que é o oposto do seu antigo marido. Enquanto Dona Flor está casada com Teodoro o fantasma de Vadinho aparece e esquenta a relação.

Elena (2013), de Petra Costa 

Ao viajar para Nova York, Elena segue o sonho de se tornar atriz de cinema e deixa no Brasil uma infância vivida na clandestinidade, devido à ditadura militar implantada no país, e também a irmã mais nova, Petra, de apenas sete anos. Duas décadas depois, Petra, já atriz, embarca para Nova York atrás da irmã. Em sua busca Petra apenas tem algumas pistas, como cartas, diários e filmes caseiros. Ela acaba percorrendo os passos da irmã até encontrá-la em um lugar inesperado.

O menino e o mundo (2013), de Alê Abreu

Uma criança mora com os pais em uma cidade no interior. Um dia, seu pai vai em busca de trabalho na cidade e os dias do garoto ficam tristes e confusos. Até que um dia o menino junta as malas e vai em busca do seu pai. Assim, o  garoto descobre  uma cidade marcada pela pobreza e exploração do trabalho.

Os Fuzis (1964), de Ruy Guerra

Em um cenário de grande fome no nordeste brasileiro, um grupo de soldados tentam impedir que o povo faminto do sertão baiano saqueie o depósito de comida da região.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp